Como se tornar um empreendedor em um dos países mais empreendedores do mundo

Compartilhe este post

Apesar da crise causada pela pandemia de Covid-19, o Brasil vem conseguindo se recuperar graças ao empreendedorismo. De acordo com a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada pelo Sebrae em parceria com o Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP), o país ocupa a 5ª posição, em um ranking que avalia a Taxa de Empreendedorismo Total entre 47 nações, demonstrando que os pequenos negócios continuam desempenhando um papel importante na economia nacional.

Neste contexto, inovadores buscam reinventar o mundo através de uma releitura de tudo, criando produtos, serviços, processos, metodologias. O professor Cláudio Carvajal – coordenador acadêmico da FIAP – teve a oportunidade de acompanhar muitos profissionais que fizeram sua transição de carreira, de colaboradores para fundadores ou cofundadores de empresas. Em especial, ele tem acompanhado a criação de startups de base tecnológica, uma vez que atua nesta área como acadêmico, além de sua própria experiência como empreendedor e consultor na área, pois é cofundador da startup Singular Next. É com base nesta experiência que ele identificou algumas etapas que empreendedores de sucesso percorrem, quase que invariavelmente, para criar seus negócios utilizando a tecnologia de forma inovadora para resolver problemas, aproveitando as oportunidades da nova economia, a economia na Era Digital.

“Vivemos em uma época de grandes transformações, mudanças que ocorrem em uma velocidade jamais vista em nossa história. Uma época de grandes ameaças e oportunidades”, analisa o professor Carvajal. Em suas aulas, ele gosta de citar como referência o seriado Black Mirror, que traz uma profunda provocação sobre as ameaças que o desenvolvimento tecnológico apresenta para a humanidade, uma oportunidade de reflexão sobre os riscos de se investir nestas tecnologias tão poderosas. Além das ameaças, é preciso vislumbrar também as oportunidades que estas mesmas tecnologias trazem. “Uma ótima referência neste contexto é o livro ‘Abundância: O futuro é melhor do que você imagina’, dos autores Peter Diamandis e Steven Kotler, que proporciona uma visão otimista do uso do poder da tecnologia para solução dos grandes problemas da humanidade”, indica o professor. “Através da internet, por exemplo, boas ideias podem ganhar o mundo em um curto espaço de tempo”, aponta Carvajal. “Para o bem ou para o mal, a tecnologia está cada vez mais acessível, as pessoas estão cada vez mais conectadas e consumindo neste novo mundo digital. E ideias que mudam a vida das pessoas podem modificar seu comportamento, seus hábitos, sua forma de viver”, pontua o professor.

E como os empreendedores da era digital criam estas soluções que ganham o mundo em uma velocidade incrível? Qual é o caminho que precisam percorrer para inovar através da tecnologia e trazer para o ambiente econômico soluções com grande potencial de escalabilidade? “É claro que empreender não é uma atividade exata. Empreender é correr riscos. E quando se fala de empreendedorismo inovador estamos falando de correr altos riscos”, responde Carvajal. “Iniciar um negócio é um ‘salto de fé’. É acreditar no seu potencial e no potencial da sua ideia, no poder de transpor barreiras e dificuldades que inicialmente não se consegue imaginar, mas que certamente aparecerão pelo caminho”.

A inclusão digital ainda é um desafio para grande parte dos países ou regiões do mundo, mas cada pessoa que se conecta à rede mundial de computadores não consegue mais parar de usá-la. A plataforma Google, por exemplo, é um verdadeiro oráculo. Basta perguntar ao Google e ele traz a resposta. Pode-se até questionar a qualidade de grande parte dos conteúdos encontrados pela busca, mas não se pode negar que o “Dr. Google” é uma das fontes de consulta mais utilizadas atualmente. A empresa Google nasceu como uma startup de base tecnológica e é um exemplo de como este tipo de negócio tem grande poder de transformar a vida das pessoas.

“Quando se observa as histórias de sucesso de grandes empreendedores, apesar de terem trajetórias muito diferentes, todas têm um ponto em comum: são casos incríveis de persistência. Em grande parte, é preciso fracassar algumas vezes até obter o sucesso”, analisa o professor Carvajal. “Casos de empreendedores que fracassaram várias vezes até conseguir criar um negócio de sucesso são bem comuns, por isso a resiliência é fator decisivo nesta jornada. Não desista do seu sonho”, conclui o coordenador acadêmico da FIAP.

Confira outras notícias: