Especialista aponta 6 pilares para organizações tirarem o melhor de seus dados

Compartilhe este post

Os dados são o ativo mais valioso do mercado nos dias de hoje. Investir em bases de dados e no uso desse recurso é fundamental. Porém não basta coletá-los. Há muito mais a ser feito em se tratando de transformar esse ativo bruto em inteligência de negócios. Pensando nisso e em como líderes de negócios podem melhorar para inovar com este valioso recurso, o especialista Augusto Kiramoto, COO da Certsys, reuniu seis pilares estratégicos fundamentais em tecnologia e negócios para ajudar a melhor guiar as organizações em um uso de dados mais proveitoso.

Vale a pena ressaltar que apenas 5% das empresas acreditam fazer bom uso da inteligência de dados em seus negócios e 52% delas acreditam que suas empresas estão longe de adotar soluções focadas em conquistar essa inteligência (pesquisa realizada no Universo Totvs 2022 pela Totvs e H2R Pesquisas Avançadas). Além disso, é preciso lidar com a realidade do ponto de vista do cliente. Em pesquisa recente da Twilio (Relatório de Engajamento do Cliente 2023), concluiu-se que 95% dos consumidores de LATAM querem mais controle sobre os seus dados de consumo e 89% das empresas brasileiras planejam implementar dados primários para proteger a privacidade do consumidor, melhorar a experiência e aumentar o valor da vida útil do cliente. Tendo esse contexto, seguem abaixo os pilares fundamentais para um melhor uso de dados.

  1. Organização de dados

Um conjunto de dados nem sempre é valioso, sobretudo se ele não estiver devidamente organizado. Não basta ter uma coleção de dados enorme sobre seu cliente, parceiro, concorrente ou mercado de atuação sem saber se esses dados são adequados às ações de negócios necessárias para fazer sua empresa crescer. Conhecer as possibilidades oferecidas pelos dados começa na organização. Algo que está diretamente ligado à unificação de dados.

  1. Unificação de dados

Não basta ter diversos bancos de dados gigantescos se eles não estiverem unificados de forma que não se possua dois perfis diferentes e conflitantes de dados de um mesmo cliente, parceiro concorrente etc. Isso pode gerar vários problemas, como ações de relacionamento sendo feitas em paralelo e que desconsideram informações importantes já compartilhadas e coletadas, isso para citar apenas alguns pontos.

“A unificação dos dados permite que se mantenha linhas de pensamento estratégico e inovador únicas, o que permite tirar o máximo daqueles dados, além de contribuir para saber o que está faltando de essencial e em que não investir daqui para frente, já que nem todos os dados são fundamentais. É muito comum uma empresa saber dados inúteis (em termos de estratégia) relacionados a seus clientes só porque há um padrão de informações a serem preenchidas. A empresa podia estar investindo em informações realmente valiosas, mas perde tempo, dinheiro e esforço em dados pobres”, explica Augusto Kiramoto.

  1. Atualização de sistemas legados

Os sistemas de bancos de dados e as plataformas usadas para manipulá-los são a base tecnológica por trás de se ter dados unificados e organizados. Esses sistemas precisam ser atuais e precisam ser uma saída para lidar, inclusive, com sistemas legados antigos. “É preciso estar atualizado em termos de infraestrutura, do contrário pode-se estar deixando informações importantíssimas passar, e é aqui que muitas empresas pecam, pois investir em infra é custoso, mas é muito mais custoso lidar todos os dias com sistemas obsoletos ou que não permitem que a empresa vá além em inovação”, complementa Augusto.

  1. Novas tecnologias e plataformas de dados e IA

Hoje em dia há muitas plataformas de dados interessantes, cada uma voltada a um mercado ou necessidade. Há aquelas que são personalizadas, as que são personalizáveis e aquelas que são padronizadas, mas ao menos fornecem o essencial para atualizar sistemas antigos ou implementar um bom grau de automatização a processos de análises. Além disso, hoje vemos muitas IAs sendo desenvolvidas e usadas pensando em lidar com grandes quantidades de dados. Não é à toa a popularidade das IAs e o surgimento das IAs avançadas na atualidade. Apesar disso, é preciso separar o potencial da realidade na hora de escolher em que investir.

  1. Segurança de dados

A segurança é um tópico complexo. De acordo com o Relatório de Engajamento do Cliente da Twilio, os principais desafios das empresas atualmente é encontrar um equilíbrio entre experiência do cliente e segurança dos dados desses clientes (44%). Não basta coletar dados, é preciso mantê-los seguros, respeitar leis como a LGPD, garantindo que sua organização seja positiva para o mercado, e não uma fonte de vazamentos e riscos ao consumidor, ao fornecedor e à própria organização.

  1. Inteligência de dados e de negócios vêm da liderança

Estabelecer um alto nível de confiança nos dados é fundamental, mas quando tudo isso está feito é preciso que a liderança saiba interpretar e lidar com as informações geradas. Muitas organizações estão se adequando ao uso de IAs, por exemplo, porém a IA não resolve um problema, não inova em um problema, não gera novos negócios entendendo um nicho e como abordá-lo. Quem faz isso é a liderança das organizações. A tecnologia é parte fundamental da lida com informações em massa, mas é preciso inteligência dos líderes das empresas para usufruir do que foi construído.

“Os dados são recursos, a tecnologia a ferramenta, mas sozinhos eles são inertes, e por mais automatizados que estejam, a movimentação do mercado precisa de uma liderança que se comprometa com o investimento e, acima disso, em usar a inteligência de dados. Não há uma saída fácil. É preciso se conscientizar disso, pois competir em um mercado tão fluido não é simples e demanda o melhor de cada profissional e líder da atualidade”, finaliza Augusto.

Confira outras notícias: