Previous
Next

Acidez Urbana – Jorn. François Ramos

Compartilhe este post

Quase lá
A partir de janeiro de 2024, a Universidade de Uberaba passará a gerenciar as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da cidade. Termo de convênio, neste sentido, foi assinado esta semana entre a Prefeitura e a Sociedade Educacional Uberabense. Expectativa é que a prestação de serviço melhore de forma substancial.


Evolução
O futebol feminino deve ser uma das novidades do “novo” Uberaba Sport Club. Para “driblar” a crise em que se via mergulhado, o Colorado se tornou uma Sociedade Anônima do Futebol (SAF). Esta também foi a opção, por exemplo, de Botafogo, Cruzeiro e Vasco, que passaram de associação civil sem fins lucrativos para uma sociedade empresarial.


Respeito
Após quase três anos do falecimento de uma técnica de enfermagem do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, seus “herdeiros” estão sendo notificados para devolver valores que teriam sido indevidamente recebidos pela funcionária pública após seu falecimento. Mesmo tendo a família tendo comunicado imediatamente o óbito ao departamento de recursos humanos da instituição, a UFTM alega ter depositado o salário da morta no mês seguinte.


Coren-MG
O inventário não é o único problema enfrentado pela família da técnica de enfermagem falecida (em decorrência do câncer) que, recentemente, foi homenageada pela Câmara Municipal de Uberaba por seu trabalho na UFTM. O Conselho Regional de Enfermagem também enviou cobrança de anuidade (pós-morte) com ameaça de execução. A família, mesmo tendo insistido, não conseguiu que o órgão efetivasse a baixa do registro. Após denúncia à imprensa, representantes do Coren-MG entraram em contato com a reclamante, mas embora colocassem obstáculos se comprometeram a resolver e retornar na mesma semana. Há mais de um ano a família aguarda esta posição. O órgão também não habilitou seu suposto crédito no processo sucessório.


Pois é…
Com problemas administrativos e judiciais que surgiram após o falecimento da técnica de enfermagem, a família alega que não teve tempo nem mesmo de viver o luto. No caso da intimação recente pela ex-empregadora, a inventariante informa que o alegado depósito do salário não constou de extrato fornecido pela instituição bancária e que foi por ela juntado ao processo sucessório, iniciado dentro do prazo legal.


E agora?
Se, por erro da UFTM (que segundo a notificada tinha conhecimento do óbito) o pagamento realmente tiver ocorrido, a família não se opõe à cobrança do crédito pela instituição junto ao espólio. Porém, a inventariante informa que, a instituição pública, mesmo tendo conhecimento da ação sucessória, de onde retirou seus dados, se limitou a remeter cobrança (em tom de ameaça) para sua casa ao invés de requerer o pagamento nos autos.


Absurdo
Se quem morre descansa, como diz o ditado, o inventário da técnica de enfermagem da UFTM não dá paz para a filha inventariante. Mesmo com um saldo negativo de mais de R$100 mil devido às dívidas já habilitadas, o processo foi arquivado após o juízo responsável pelo processamento recusar a concessão da Justiça Gratuita, o que fez sob o argumento de que a regra não se aplica a este tipo de ação sucessória e negar pedido (por falta de pagamento de taxa) para instituições bancárias informarem a existência de créditos ou dívidas que devam constar do processo.


Não dá
Que justiça é essa em que, além dos herdeiros não terem nada a receber ainda são cobrados para manter um processo que somente beneficiará credores? Lembrando que a lei é clara: Quem responde pelas dívidas é o patrimônio deixado pelo falecido, assim como a responsabilidade pelo pagamento das custas do inventário é do espólio. Infelizmente, tem momentos em que, mesmo se o advogado desenhar tem gente que finge não entender.


Boa
Conselheiro seccional da OAB-MG e advogado militante, o uberabense Euseli dos Santos, na foto ao lado da presidente da OAB da Bahia, Daniela Borges, representou a cidade no 44º CONAT – Congresso Nacional de Advocacia Trabalhista, onde falou sobre a LGBTfobia no mercado de trabalho.

              Foto: Reprodução/Instagram

Discriminação
O advogado trabalhista classifica como gravoso o quadro humanitário de um país onde 90% dos travestis se prostituem por não terem conseguido nenhum outro emprego, até mesmo aqueles que têm boas qualificações: “Estamos diante de uma afronta de forma direta o primado constitucional da dignidade humana”, reforçou em seu discurso.


Preconceito
Em sua participação no evento que aconteceu em Porto Seguro, na Bahia, Euseli dos Santos demonstrou que a LGBTFobia é a principal motivação para que 90% das mulheres transgêneros sobrevivam da prostituição. De acordo com ele, estudos apontam que apenas 4% delas possuem emprego formal, enquanto outros 6% desempenham alguma atividade informal. 


Involução?

Cantor Guilherme Arantes, que no próximo dia 17/11 se apresenta em Uberaba, no Teatro Sesiminas, usou seu Instagram para justificar as poucas aparições que fez em televisão nos últimos anos. Segundo ele, quando é para ser entrevistado, as perguntas são formuladas com o objetivo de “causar”: “As falas na TV são sempre tóxicas, trazem aborrecimentos e perdas pessoais.

     Foto: Reprodução/felipehenrique.com.br


Ditadura
Guilherme Arantes, que fez muito sucesso nos anos 70/80, continua ativo, fazendo shows por todo o País e sendo prestigiado pelo público por onde passa, porém confessa que os desafios para o artista, hoje, em um mundo regido pelas redes sociais, são bem mais complexos, pois, todo mundo tem que fazer “sua lição de casa, com seus sorrisos e mensagens agregadoras, ou estudadamente chocantes, provocativas, vale tudo desde que sejam de alguma forma eficientes para angariar seguidores”, algo que não está disposto a fazer.


Fria
O cantor, que acumula sucessos como “Êxtase” (1979), “Planeta Água” (1983), “Fã número 1” (1985) e “Cheia de Charme” (1985), entre muitos outros, reforça que vive-se um momento em que a nova verdade midiática é determinada pelas redes sociais: “Diga-me quantos te seguem, e te direi quem és”.


Frase
“As redes sociais viraram um lugar tóxico, as pessoas estão doentes, sem limites. Distribuem ódio gratuito, comentários pesados e desnecessários. Emanam negatividade, transmitem maldade.”
(Bárbara Flores)

Confira outras notícias: