Previous
Next

Capoeira é declarada patrimônio cultural de Uberaba

Compartilhe este post

A Fundação Cultural de Uberaba, por meio do Departamento de Patrimônio Histórico, em conjunto com o Conselho de Salvaguarda da Capoeira de Uberaba, registrou a roda de capoeira como patrimônio cultural imaterial da cidade.

O decreto foi publicado no Porta-Voz do Município, na última quarta-feira (29), a partir da página 21, no link: https://dosp.com.br/exibe_do.php?i=MjE0OTY0. A publicação garante que a manifestação cultural seja devidamente preservada como patrimônio registrado.

“A capoeira e todos os patrimônios imateriais de Uberaba vêm enriquecer nosso celeiro cultural. Esse trabalho de registro foi feito em conjunto com mais de 20 grupos de capoeira”, explicou o professor Gustavo Vaz, historiador da Fundação Cultural. De acordo com o decreto, a ação é um estímulo para que os grupos permaneçam ativos e conservem seus saberes.

“Desde janeiro de 2019, capoeiristas de Uberaba reúnem-se bimestralmente, com a finalidade de discutir e planejar o plano da salvaguarda para a capoeira no Município. Agora, o reconhecimento municipal servirá para fortalecer o desenvolvimento dos diversos trabalhos de capoeira na cidade e na região”, pontuou o mestre de capoeira do grupo Raízes do Brasil Centro Cultural de Capoeira, Gleisson Marques, o mestre Crei.

Processo de registro – A primeira etapa foi preencher a ficha de inventário com todos os dados históricos dos grupos. A ficha foi enviada ao Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha/MG), seguindo as instruções de deliberação normativa das políticas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS). Por fim, é escrito o dossiê para o registro como patrimônio histórico imaterial em Uberaba. Esse plano de Inventário de Proteção do Acervo Cultural (Ipac) se estende entre 2021 e 2022.

Patrimônio brasileiro – A roda de capoeira é uma manifestação cultural presente no Brasil desde a vinda dos escravizados africanos, com um híbrido de influências, representado pela confluência de coreografia, ritmo e melodia, mediados pelo corpo, que se mantém pela persistência ao longo dos anos.

“Esta arte-luta-jogo tornou-se a nova diáspora da mensagem dos afro-descendentes pelo mundo. Esses reconhecimentos fazem com que se perpetuem as tradições da herança cultural da capoeira, sobretudo do povo preto, ao mesmo tempo em que a promovem como símbolo identitário de memória nacional”, ressaltou mestre Crei.

A roda de capoeira está inscrita no Livro de Registro das Formas de Expressão do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 2008 e é um bem cultural registrado como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil.

Como um dos símbolos brasileiros mais reconhecidos internacionalmente, a roda de capoeira foi considerada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade durante a 9ª Sessão do Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda realizado em Paris, em novembro de 2014. A decisão foi aprovada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Confira outras notícias: