Previous
Next

Força tarefa faz fiscalizações no rio Uberaba para localizar captações irregulares

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A redução drástica de vazão do rio Uberaba na Estação de Captação da Companhia Operacional de Desenvolvimento, Saneamento e Ações Urbanas (Codau) está sob investigação. Vistorias na região já foram realizadas pelas equipes da Codau e as autoridades ambientais também foram mobilizadas em uma força-tarefa para avançar nas medidas fiscalizatórias.

A amplitude de variação da vazão entre os períodos da noite e do dia também foi registrada em outra ocasião, no final de junho, voltando a ser verificada esta semana. Entre terça e quarta-feira (18), houve uma redução drástica em torno de 40%, em menos de 24 horas, o que colocou em alerta máximo a direção da Companhia. A vazão havia caído de 1700 litros/segundo para 1000 litros/segundo. O monitoramento do rio demonstra que a variação negativa da vazão tem ocorrido principalmente no período noturno. Hoje (20), a vazão do rio está em um patamar estável, em torno de 2000 litros/segundo, índice adequado com o sistema de transposição acionado nesta seca histórica.

Uma vistoria no rio Uberaba à montante da barragem de nível foi realizada por técnicos da Codau e o relatório encaminhado para a Secretaria de Meio Ambiente, Ministério Público Estadual através do coordenador Regional das Promotorias de Justiça de Defesa do Meio Ambiente das Bacias Hidrográficas dos Rios Paranaíba e Baixo Rio Grande, Carlos Alberto Valera, e a Polícia Ambiental. E nesta manhã de sexta-feira (20), o Comando da 5ª Companhia de Polícia Militar Independente de Meio Ambiente e Trânsito deflagrou a operação de fiscalização.

A Codau repassou três coordenadas de pontos identificados com equipamento de pivôs de irrigação e represamento em dois afluentes do rio Uberaba para averiguação da legalidade das instalações. “Essa fiscalização é para elucidar os fatos. Queremos entender o motivo da redução de vazão e se as captações estão regulares e com as devidas outorgas. Caso estejam, queremos saber também se a retirada da água está dentro do permitido pelo órgão ambiental, nos horários e quantidades liberadas. O momento é de prioridade para o abastecimento da cidade, e desta realidade, todos devem ter ciência”, frisou o presidente da Codau, José Waldir de Sousa Filho.

O comandante Rivaldo Luciano de Oliveira, da 5ª Cia PM IND MAT, informou que, na manhã desta sexta-feira (20) foram realizadas três autuações administrativas por conta de captações irregulares. A fiscalização permanece na data de hoje, com uso de drones para checar pontos já conhecidos das autoridades e que, em outras oportunidades, estavam em desacordo com a legislação.

Confira outras notícias: