Previous
Next

Canais especializados ajudam na disseminação de informações sobre o EPS

Compartilhe este post

O EPS, ou poliestireno expandido (popularmente conhecido como “isopor”) está presente em uma série de itens do dia a dia, como embalagens, caixas, copos, entre outros. Mas o que nem todas as pessoas sabem é que há uma série de aplicações nas quais o material também se faz presente, em diferentes densidades e formatos, como em colchões, geladeiras, tubulações, dutos de ar-condicionado, suportes para móveis, caixas para alimentos, medicamentos e agronegócio e até em “casas de isopor”.

No blog Universo do EPS, que acaba de ser lançado pelo fabricante Grupo Isorecort, é possível checar diferentes formas em que o material se torna uma solução para os mais variados mercados. 

“A depender da aplicação, o material precisa cumprir diferentes funções de segurança, desde firmeza e sustentação até absorção de impactos e isolamento térmico. Ele é transformado industrialmente para atender necessidades específicas, proporcionando resistência ao calor e à compressão. Sua densidade do EPS pode variar do tipo 1F (10 kg/m³) a 8F (48 kg/m³), sempre de acordo com a norma da ABNT NBR 11752”, explica Karen Peroni Maia, Engenheira Civil do Grupo Isorecort. 

O EPS é composto por 98% de ar e 2% de matéria-prima, é isento de produtos tóxicos ou perigosos, tanto para o ambiente como para a camada de ozônio (é isento de CFCs) e, ao final de sua vida útil, é 100% reciclável.  

Entre os setores que se valem de aplicações industriais em EPS que mais podem causar surpresa às pessoas está o da Construção Civil. No Brasil, o material ainda está no início do seu potencial como base para sistemas construtivos. Em países europeus, asiáticos e nos Estados Unidos, os sistemas construtivos em EPS já são mais disseminados. 

“Em um país continental como o Brasil, onde as sensações térmicas variam bastante, o EPS está sendo usado como solução para o isolamento térmico e acústico de edificações. Ele também se mostra um aliado para o nivelamento de lajes, em painéis divisórios e na drenagem em muros de arrimo, apenas para citar alguns exemplos. No caso das casas em EPS, então, as pessoas ainda se espantam ao descobrir que ele pode estar presente na casa toda, desde as paredes e lajotas até telhas e muros”, afirma a Engenheira.  

 

Confira outras notícias: