Cooperativismo ultrapassa 18 milhões de adeptos

Compartilhe este post

O cooperativismo segue em crescimento no Brasil. Na modalidade, na qual os cooperados têm acesso a serviços e produtos semelhantes àqueles oferecidos por bancos, os associados têm direito a voto em decisões, bem como a parte dos eventuais lucros oferecidos periodicamente pela instituição, além de crédito e condições exclusivas.

O Anuário do Cooperativismo 2022, publicado pelo Sistema OCB indicou que no território nacional há mais de 18 milhões de cooperados ligados a mais de 4.800 instituições vinculadas à entidade (em 2019 eram 15,5 milhões). Dados deste estudo indicam também que mais da metade das instituições (2.535) atuam há mais de 20 anos.

Neste contexto, se por um lado, o potencial cooperado tem diversas opções na busca pela cooperativa que mais se adequa aos seus objetivos, boas práticas administrativas, planejamento e ideias inovadoras podem trazer benefícios não apenas financeiros para as cooperativas financeiras, agrícolas e empreendimentos similares.

O cenário, estratégias, perspectivas, desafios do segmento e a possibilidade de atuar junto a uma consultoria especializada são temas de entrevista com Lucila Simão, CEO do Instituto Fenasbac, que fornece consultoria, soluções ESG e treinamentos a instituições públicas e privadas de todas as regiões do país. 

Como se dá a atuação de consultorias de cooperativas financeiras, do agronegócio e de empresas de outros segmentos? 

Vejo como desafio da consultoria conectar as melhores ideias para materializar a entrega de resultado financeiro e não financeiro da organização. Assim, é preciso estar alinhada aos desafios de negócios do mercado brasileiro, dentre eles, o de estruturar modelo de negócio e gestão e de desenvolver o alto nível de lideranças estratégicas para que cada vez mais organizações consigam focar na execução de projetos que vão gerar tanto crescimento econômico quanto a entrega de propósito em suas comunidades. 

Exemplificando: nosso ponto de partida é identificar o desafio do negócio (quer seja cooperativa financeira ou empresas de outro segmento) para este ano ou mesmo para os próximos dois anos. A partir disso, a equipe de projetos desenha um projeto absolutamente alinhado com a entrega do resultado desejado. Vale ressaltar que a base dos projetos sempre é o desenvolvimento de pessoas, para transmitir a inteligência do executar para o cliente ou cooperativa. 

Quais são as principais estratégias e ferramentas que podem ser utilizadas para este propósito? 

O mercado em constante transformação já exige muita musculatura das organizações, então a consultoria deve ser o ponto prático dessa questão. Tendo isso em mente, não há uma ferramenta ou estratégia específica que utilizamos no Instituto Fenasbac. O objetivo é aliar consultores com experiência no negócio do cliente, além de vivência no ecossistema de inovação e gestão, para propor ferramentas adequadas e soluções viáveis que facilitem o dia a dia dos colaboradores e da liderança, e que ajudem a dar foco para a entrega do resultado pretendido. 

Assim, o primeiro direcionamento é dar foco na estratégia para a execução, pois percebemos que há muito planejamento e pouca concretização. Além disso, propomos caminhos alternativos de execução, tendo como base a gestão ambidestra para equilibrar eficiência operacional e entrega de propósito.

A base da estruturação dos nossos projetos, diante dos desafios dos nossos clientes, é sempre propor essa visão estratégica ampliada do seu modelo de gestão e negócios para que possamos evoluir a cultura instalada e viabilizar essa transformação a partir das pessoas. 

Quais são os principais benefícios alcançados por cooperativas que fazem uso de consultorias especializadas? 

A especialização da consultoria no ramo do cooperativismo é justamente o principal benefício, pois dele derivam-se as demais vantagens. Temos um compromisso umbilical com o resultado de cada projeto, pois realizamos a entrega do nosso propósito quando conseguimos ajudar a cooperativa a se fortalecer de forma sustentável para a expansão que acontece anualmente no cooperativismo. Então, faz toda a diferença contar com uma consultoria que entende e acredita no cooperativismo, isso viabiliza uma conexão com interesses mútuos e até mesmo a construção de uma parceria permanente.

Além disso, há outras vantagens que podemos destacar, como a alta entrega de inteligência operacional, que impacta os indicadores de maneira ágil e verdadeira, a capacidade de ajudar as cooperativas financeiras a entenderem a importância de mensurar seus impactos e evidenciá-los para se diferenciarem de um banco. Isto faz com que as cooperativas renovem a sua base de cooperados, fortaleçam o vínculo com a comunidade, além de contar com serviços completos que criam engajamento em todos os níveis do cooperativismo, principalmente na alta liderança que é fundamental na implementação de qualquer novo projeto, a partir da consciência de mudança de mindset (modelo mental) e da necessidade de evolução da cultura atual. 

Para mais informações, basta acessar: https://ifenasbac.com.br.

Confira outras notícias: