A saúde em Uberaba está enferma

Compartilhe este post

Mozart Jr.

Acompanhando relatos e relatos nos últimos dias, vemos que o problema da saúde em nossa cidade, na verdade, esse gargalo creio ser nacional, vem se arrastando há tempos

Para quem não lembra, no governo anterior, as mesmas pessoas que estão usando as redes hoje, o faziam constantemente, tendo inclusive virado caso de polícia.

Infelizmente quando estamos numa posição de vulnerabilidade podemos nos tornar presas de certas situações.

Vejo que a atual administração errou bastante em relação ao tema, a escolha equivocada do secretário anterior é uma amostra apenas.

De renomada reputação, Dr. Sétimo Boscolo sofreu por não estar inteirado dos parâmetros que regem a saúde pública, vindo da iniciativa privada, onde os recursos abundam e qualquer falta de suprimentos é suprida em caráter de urgência, ele sofreu com os entraves da burocracia que cerca a coisa pública.

Mas, não querendo fazer o papel de advogado do diabo, gostaria de citar duas situações:

Na primeira, em conversa com pessoa bastante conhecida na cidade, principalmente nos meios esportivos, ele me fez o seguinte relato:

“Olha, estou vendo todo esse alvoroço com demora no atendimento do hospital da criança, gostaria de contar um fato ocorrido comigo; levei minha sobrinha de três anos de idade ao hospital da criança para ser atendida lá na parte de convênio com a Unimed, pois bem, mesmo sendo particular, esperamos quatro horas por atendimento e isso só foi agilizado após minha sobrinha passar muito mal e chegar a vomitar em mim. Agora, quero falar de um pequeno detalhe… minha sobrinha hoje tem 23 anos de idade, ou seja, a coisa sempre foi complicada, a questão é que as redes sociais não faziam esse estardalhaço todo.”

Conversei com a prefeita, cobrei dela uma posição e ela garantiu que o caso do hospital da criança está sendo minuciosamente estudado e os esclarecimentos à população serão apresentados sem ocultar uma vírgula sequer.

Vale lembrar que ali tem a questão do estacionamento envolvida, entre outras.

O outro caso aconteceu comigo mesmo, nesta sexta-feira, 31 de março. Fui até o hospital Mario Palmerio por conta de uma gripe muito forte que literalmente me derrubou essa semana, afinal suspeita sobre covid incomoda muito.

Resolvi ir ao hospital por conta de relatos nas redes sociais de que o serviço público estava terrível.

Coincidência, encontrei lá a vereadora Lu Faquinelli, que também comentou sobre a situação e inclusive dissuadiu uma senhora de acionar um herói da internet, coisa que só serviria para criar ainda mais desgaste com os profissionais de saúde ali, já sobrecarregados.

Mas segundo ela, o tempo de espera para sua filha ser atendida também foi longo e isso depois dela desistir de tentar o atendimento no hospital São Marcos, onde segundo ela a fila estava maior.

Aliás, ontem recebemos relatos de espera de média de quatro horas lá.

Mas, voltando ao meu caso, fiquei na instituição por quase de três horas e fui então encaminhado para fazer o teste de covid.

Fiz o teste, o mesmo aplicado na rede pública, porém fui informado que o resultado pode sair em “até três dias”…

Agora, analisemos, nesse período, sem certeza da contaminação ou não, como posso levar a vida normalmente? Como, por exemplo, posso visitar minha mãe que é idosa debilitada nesse período? O que faço? Ajo com irresponsabilidade e toco o barco ou fico recluso?

Pois bem, a solução será procurar o famigerado serviço público…

Voltando ao cerne da questão, que é a saúde em Uberaba, precisamos olhar de forma ampla, esse caso de 20 anos relatado expressa bem a situação. Em 20 anos, o que mudou na estrutura da saúde na cidade que teve uma população crescendo exponencialmente.

O que foi investido na estrutura dos hospitais públicos? Então, realmente a saúde em Uberaba está enferma, mas é preciso encontrar a causa dessa enfermidade que se arrasta há anos e parar com paliativos, apresentando uma solução, ou pelo menos um projeto que possa atender a população mais sofrida, aquela que paga impostos como todos os outros, mas que quase nunca tem o retorno merecido.

Confira outras notícias: