Previous
Next

Centro Administrativo recebe cores pelo mês de luta pelo fim da violência contra a mulher

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O prédio do Centro Administrativo Ataliba Guaritá Neto traz novas cores durante o mês de agosto. Em tons de lilás, o novo colorido da sede do Governo Municipal faz parte das ações de conscientização e combate à violência doméstica, realizadas também para os servidores municipais. A iniciativa integra uma série de atividades que terão início durante o ‘Agosto Lilás’ e serão desenvolvidas pelo projeto de comunicação interna Todos Juntos – Plano de Valorização do Servidor e pelo Centro Integrado da Mulher (CIM).

“Somos maioria no Governo Municipal e a nossa gestão se preocupa com o bem-estar e segurança das nossas servidoras. Precisamos falar disso e trazer ações de proteção para que haja mudanças dos padrões da nossa sociedade, e a mulher se sinta segura e protegida em qualquer situação”, explicou a a prefeita de Uberaba, Elisa Araújo.

Além de iluminar o prédio, serão desenvolvidas outras ações como a propagação de informações para que os servidores consigam identificar os tipos de violência e a melhor forma de pedir ajuda aos órgãos que integram a rede de apoio. As informações serão repassadas on-line, por meio de material direcionado no aplicativo de mensagens e também por cartazes fixados em pontos estratégicos do Centro Administrativo e autarquias. “Essas ações vão refletir não só internamente, mas lá fora também. Pode acontecer de os servidores terem acesso a alguém que esteja sofrendo violência e, com essas informações, possam a ajudar de forma ativa”, explicou Elisa.

Outra ação que será desenvolvida envolve os setores de Recursos Humanos do Governo Municipal. Os profissionais receberão instruções para acolher e ajudar os servidores que estejam sofrendo algum tipo de violência. Elisa reforçou o compromisso com os servidores e completou dizendo que a mulher precisa ter consciência de que ela vai ser protegida, caso procure os setores para pedir ajuda.

“Precisamos deixar as portas abertas para o acolhimento. A mulher que sofre a violência precisa ser acolhida e muitas vezes não procura ajuda por medo, constrangimento ou por achar que não receberá o apoio. Passamos muito tempo trabalhando e precisamos estar todos atentos aos sinais para ajudar quando for preciso. A nossa ação terá início neste mês, mas continuará”, enfatizou Elisa.

A violência doméstica e familiar não se caracteriza apenas pela agressão física. Segundo o artigo 5° da Lei Maria da Penha, qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial são consideradas violência e crime. A campanha Agosto Lilás tem o objetivo de intensificar a divulgação da Lei Maria da Penha, que neste ano completa 15 anos.

Confira outras notícias: