Previous
Next
Previous
Next

Comitiva do Governo Municipal visita Jardim Maria Alice e Morada do Verde

Compartilhe este post

A prefeita Elisa Araújo continua percorrendo os bairros da cidade com representantes do Governo Municipal para ouvir as demandas e apontar soluções. Nos loteamentos Jardim Maria Alice e Morada do Verde, a convite do presidente da Câmara, vereador Ismar Marão, ela reuniu-se com moradores e lideranças.

Participaram do grupo os secretários de Serviços Urbanos e Obras (Sesurb), Pedro Arduini Guedes; de Planejamento (Seplan), Isabella Nascimento; o presidente da Companhia Operacional de Desenvolvimento, Saneamento e Ações Urbanas (Codau), José Waldir de Sousa Filho, e representando a  Secretaria de Defesa Social (SDS), o superintendente tenente Carlos Alberto Barbosa Siqueira.

No Jardim Maria Alice, uma das principais reivindicações da população foi quanto à abertura de via que retire do interior do bairro a circulação de caminhões pesados vindos das pedreiras. Seplan e Sesurb vêm, desde o ano passado, realizando estudos para fazer um novo traçado nesse sentido.

O trajeto, que será definido em breve, começa na entrada da Pedreira Beira Rio, contorna o Jardim Sevilha, passa pelo Clube do Fórum, Jardim Isabella II, APP do Córrego Lageado e finaliza na MG-798 numa rotatória a ser construída. Trata-se de uma reivindicação não apenas do Jardim Maria Alice como também do Jardim Eldorado e Portal das Flores.

A prefeita determinou que seja realizada análise pelo Departamento de Trânsito da SDS para instalação de câmeras na entrada e saída do bairro. No local também devem ser realizadas obras de drenagem e construção de bocas de lobo pela Codau e podas de árvores pela Sesurb.

O  recapeamento da Rua João Tomaim, reivindicação antiga dos moradores, será contemplado em cronograma da Sesurb.

Morada do Verde – A comitiva esteve também no Loteamento Morada do Verde. Trata-se de local de chácaras que inicialmente foi vendido como rural, lotes de até 5 mil m², e com o passar do tempo foram  desmembrados em áreas reduzidas. Os moradores reivindicam implantação de infraestrutura.

Para regularizar essa situação, a prefeita apontou que isso será possível por meio do Programa Regularização Fundiária Urbana (Reurb), que pode ser social ou especial. Elisa pediu prazo de uma semana aos moradores para que sejam feitos os cálculos e avaliações a fim de saber se é possível ajudá-los nesse enquadramento dos 66 lotes, cujas medidas variam entre 200 m² e 5.000 m². “Somente depois dessa regularização será possível à Prefeitura executar os serviços que essa comunidade necessita”, ressaltou.

Confira outras notícias: