Previous
Next

A relação entre osteoporose e odontologia

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A osteoporose e odontologia estão mais relacionadas do que muitos imaginam. Isso porque os problemas com a formação óssea são capazes de prejudicar a principal base de sustentação dental, comprometendo a realização e o sucesso de diversos tratamentos odontológicos.

No entanto, para compreender melhor como essas duas áreas da saúde se relacionam e os impactos que elas provocam no cotidiano do paciente, primeiro, é necessário entender o que é a osteoporose e quais são os seus sintomas.

Comumente relacionada com o envelhecimento, a osteoporose é uma condição que acomete os tecidos ósseos do corpo, deixando-os mais frágeis e suscetíveis a fraturas. 

Isso acontece porque o organismo passa a ter dificuldade com a absorção do cálcio e com a remineralização dessas estruturas.

Assim, a osteoporose é um quadro clínico que não tem cura, mas que quando seguido um tratamento adequado, não compromete a possibilidade de uma vida ativa e saudável para os pacientes.

Por isso, a realização de um diagnóstico precoce é fundamental para preservar a saúde e a integridade dos ossos. 

Para tanto, a utilização dos benefícios concedidos por um convenio odontologico empresarial pode ser crucial, auxiliando na identificação dos sintomas.

Qual é a relação entre a osteoporose e a odontologia

Como essa doença não possui sintomas significativos, que possam ser sentidos pelo próprio paciente, a efetivação de um diagnóstico adequado pode demorar bastante para ser realizado.

E, com o tempo, isso leva a uma perda de massa óssea que pode culminar até na redução da altura da pessoa.

Contudo, por meio de um convenio odontologico para MEI – ou qualquer outro tipo de assistência dental –, o cirurgião-dentista é capaz de descobrir a origem desse quadro clínico, seguindo os sinais que são apresentados nas estruturas da cavidade oral.

Isso porque, quando o paciente tem osteoporose, a reabsorção óssea se dá inclusive na região maxilar e mandibular, que fazem a sustentação dos dentes. Essa perda dos tecidos pode ser identificada por meio de exames radiográficos odontológicos.

Esses exames são especialmente necessários quando existe a necessidade de intervenções cirúrgicas de reposição dental, como a colocação da prótese fixa e o implante dentário, ou como forma de controle durante o tratamento ortodôntico.

Nesses casos, o dentista pode exigir também uma Tomografia Computadorizada por Feixe Cônico (TCFC) – disponibilizado pelo plano odontologico para MEI – para estudar mais detalhadamente a qualidade e a espessura dos tecidos ósseos faciais.

Assim, se necessário for, encaminhar esse paciente para um reumatologista ou endocrinologista, para que seja iniciado o tratamento adequado para o quadro.

Cuidados necessários para garantir o cuidado oral tendo osteoporose

O cuidado com a saúde dos dentes e a qualidade do sorriso é importante para todos os pacientes, mas no caso das pessoas que possuem osteoporose, essa atenção deve ser ainda mais caprichada.

Isso porque, as principais causas da perda dentária são decorrentes do desenvolvimento das ações bacterianas, como o aparecimento de cáries e periodontites, que comprometem a sustentação dos dentes.

Nesses casos, a reposição dental é fundamental para impedir as consequências do edentulismo, que podem incluir a:

  • Perda maior da massa óssea facial;
  • Movimentação dentária;
  • Problemas com a oclusão;
  • Aumentos dos diastemas;
  • Extrusão dentária.

Por isso, esses pacientes devem estar atentos com as medidas que garantam a saúde das estruturas dentais e o combate às bactérias prejudiciais, como:

  1. Atenção com a higienização bucal

A limpeza de toda a cavidade oral deve ser feita ao menos três vezes ao dia, com o auxílio de um creme dental rico em flúor e uma escova com cerdas macias.

Após a escovação, é fundamental o uso do fio dental para promover a higienização dos sulcos gengivas.

  1. Cuidado com a osteonecrose

A osteoporose, quando não cuidada corretamente, pode causar micro lesões nos tecidos mandibulares que provocam a morte do osso da região. 

Isso faz com que o paciente sinta muitas dores e o surgimento de artrose severa.

Além disso, os pacientes que fazem o uso de medicamentos bifosfonatos – que são utilizados para o tratamento da degeneração óssea –, se submetidos a procedimentos odontológicos invasivos, podem desenvolver a necrose asséptica.

  1. Visitas ainda mais frequentes com o dentista

A utilização de um plano odontológico para CNPJ ajuda a viabilizar a realização de visitas mais frequentes com um cirurgião-dentista. Essas visitas são fundamentais na manutenção de um dente mais saudável e bonito.

Isso porque, além de remover por completo as estruturas bacterianas bucais, o dentista pode manter os exames radiológicos de forma constante, garantindo a saúde dos tecidos ósseos e monitorando os efeitos da doença na região.

Enquanto isso, se você souber sobre o plano odontologico empresarial como funciona pode viabilizar tratamentos odontológicos estéticos que não sejam invasivos e que não comprometam a integridade dentária. 

Por isso, essas consultas precisam ser feitas uma vez a cada seis meses ou conforme a indicação médica para cada quadro clínico. 

Conteúdo desenvolvido pela equipe do Conviva Melhor, blog criado com o intuito de melhorar a saúde e o bem-estar por meio de conteúdos que reforçam a importância dos cuidados regulares.

Confira outras notícias: