Previous
Next

Agronegócio e parceiros fazem mapeamento da vegetação no Município

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Secretaria do Agronegócio (Sagri) e instituições parceiras esperam concluir até meados do próximo mês, a primeira etapa do Projeto Monitoramento da Safra Agrícola via satélite, que é o mapeamento de toda a camada de vegetação natural do Município.

O Monitoramento da Safra, via satélite, foi lançado pela Sagri, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) e as Faculdades Associadas de Uberaba (Fazu) no final de junho. De lá pra cá, contou o chefe da Seção de Desenvolvimento Rural do Agronegócio, Matheus Oliveira Alves, estabeleceu-se o cronograma de ações, e no dia 16 de setembro foram iniciados os trabalhos com reuniões semanais entre os participantes, inclusive, alunos bolsistas do curso de Engenharia Ambiental, supervisionados pelo professor Ricardo Ferreira, coordenador do Laboratório de Geoprocessamento e Cartografia da UFTM.

Os encontros, destacou Matheus, são feitos de forma on-line. “Neles são inseridos os novos dados catalogados, obtidos por geoprocessamento ou com visitas a campo, é feito alinhamento de informações e traçados novos planos de trabalho.” De acordo com o dirigente da Sagri, encontra-se em estágio avançado o serviço de mapeamento de toda a camada de vegetação natural no município de Uberaba, como reservas florestais e Áreas de Preservação Permanente (APPs), dentre outras, além de todas as pastagens.

Matheus Alves acredita que esta primeira parte do monitoramento deverá ser concluída na primeira quinzena de novembro. Ele ressaltou que o término desta catalogação da vegetação natural será fundamental para quantificar a área agricultável do Município. “Afinal, o que restar, salvo uma ou outra exceção, é área de plantio da safra agrícola,” argumentou.

O técnico do Agronegócio enfatizou que todo este material será bastante útil para as reuniões do Conselho Gestor de Safra de Uberaba, contribuindo para uma maior precisão das estimativas. Matheus complementou que o projeto de Monitoramento Agrícola também fornecerá valiosos dados ambientais, podendo ser usados para balizar ações em defesa do ecossistema no Município.

Confira outras notícias: