Governo de Minas volta a pagar salários de servidores em dia a partir de agosto

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Governador do Estado, Romeu Zema falou que, no próximo mês, todo funcionalismo vai receber no 5º dia útil

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), anunciou, na manhã desta sexta-feira (16), que a partir do mês de agosto os servidores do Estado voltarão a receber seus salários integralmente no 5º dia útil de cada mês.

O anúncio foi feito em vídeo publicado por Zema no Instagram. “Acabou o pesadelo do funcionário público de Minas Gerais”, comentou o governador no vídeo.

De acordo com o atual governo, os parcelamentos e atrasos começaram ainda em fevereiro de 2016. “A partir do pagamento de agosto os servidores voltarão a poder contar com o salário no início do mês para honrar seus compromissos, o que não ocorria desde janeiro de 2016. O parcelamento de salários era uma situação que me incomodava muito e estou muito feliz de conseguir cumprir uma das principais metas do meu governo. Felizmente, graças ao empenho do nosso governo em resolver a situação, ao aumento das receitas do Estado e também à venda da folha, que aconteceu hoje, teremos condições de voltar à normalidade, no que diz respeito ao pagamento dos salários”, disse Zema em nota enviada à imprensa. 

Segundo informou o  secretário de Estado de Fazenda, Gustavo Barbosa, o fim do parcelamento é válido para todos os servidores do Executivo (ativos, inativos e pensionistas). “Primeiro, conseguimos garantir a previsibilidade ao diminuir o número de parcelas de três para duas, sempre pagando na data divulgada, sem atraso. Agora, com os recursos obtidos com a venda da folha de pagamento do Estado, teremos plenas condições de garantir que os servidores recebam os seus salários integralmente”, informou Barbosa, na mesma nota. 

Venda da folha – O governo de Minas Gerais também divulgou que, nesta sexta-feira, foi concretizada a venda da folha de pagamento do Estado, e que a oferta vencedora foi a do banco Itaú, que ofereceu R$ 2,42 bilhões, 18%  a mais do lance mínimo do leilão (R$ 2,052 bilhões). 

Segundo o Executivo estadual, o valor será depositado integralmente na conta do Tesouro Estadual. O tempo de vigência do contrato é de cinco anos. 

Confira outras notícias: